domingo, 22 de março de 2015

Brasil X Hungria: solenidade de acesso à cidadania - 10 - Eszter Dobos





São Paulo (SP) Brasil X Hungria: solenidade de acesso à cidadania - 10. Evento  contou com a participação da comunidade húngara remanescente de Jaraguá do Sul (SC). 
A solenidade da entrega da cidadania húngara foi no Colégio Santo Américo, bairro Morumbi.
O evento marcou as comemorações do levante húngaro ocorrido em 15 de março de 1848.
Homenagem a Jaraguá do Sul, no evento, pois a cidade foi palco da emigração húngara, do Leste europeu.
Eszter Dobos, Cônsul foi atuante e facilitou o processo de cidadania húngara aos jaraguasulenses. Neste vídeo narra o desenrolar dos trabalhos realizados em Jaraguá do Sul/SC e estimula a comunidade remanescente a lutar por essa possibilidade e assim manter os vínculos com a nação de origem, a Hungria.
Ademir Pfiffer - Historiador

Brasil X Hungria: solenidade de acesso à cidadania - 11 - Amauri Steinma...





São Paulo (SP), Brasil X Hungria: solenidade de acesso à cidadania - 11. Evento  contou com a participação da comunidade húngara remanescente de Jaraguá do Sul (SC). 
A solenidade da entrega da cidadania húngara foi no Colégio Santo Américo, bairro Morumbi.
O evento marcou as comemorações do levante húngaro ocorrido em 15 de março de 1848.
Homenagem a Jaraguá do Sul, no evento, pois a cidade foi palco da emigração húngara, do Leste europeu.
Amauri Steinmacher descendente das famílias Scheuer e Steinmacher abordou a conquista social e cultural, bem como ela representa para sua vida promissora, como empreendedor.

Brasil X Hungria: solenidade de acesso à cidadania - 17 - Emílio da Silv...





São Paulo (SP), Brasil X Hungria: solenidade de acesso à cidadania - 17. Evento  contou com a participação da comunidade húngara remanescente de Jaraguá do Sul (SC). 
A solenidade da entrega da cidadania húngara foi no Colégio Santo Américo, bairro Morumbi.
O evento marcou as comemorações do levante húngaro ocorrido em 15 de março de 1848.
Homenagem a Jaraguá do Sul, no evento, pois a cidade foi palco da emigração húngara, do Leste europeu.
Em nome dos homenageados fez uso da palavra o Senhor Emílio da Silva Neto, neto de Madalena Schreibe e Salomon.
Ademir Pfiffer - Historiador

sábado, 21 de março de 2015

Embaixador da Hungria se reúne com presidente da FIBRA



O embaixador da Hungria, Norbert Konkoly, se reuniu com o presidente da FIBRA, Jamall Jorge Bittar, para apresentar tecnologias na área de gestão ambiental.

terça-feira, 17 de março de 2015

Cidadania húngara para jaraguaenses



            Após intenso preparo para aprendizagem dos conhecimentos básicos da Língua Estrangeira Húngara, entre os anos de 2013 e 2014, em 15 de março, em São Paulo, no bairro Morumbi, no auditório do Colégio Santo Américo aconteceu a sessão de entrega dos do documento da cidadania húngara dos jaraguaenses: Emílio da Silva Neto;  Debora Rau Ulrich Carvalho e o filho Artur Henrique; Fabiana Kanzler Maiochi e o filho João Alberto; Amauri Francisco Steinmacher e a filha Janaina.
             De Blumenau, a cidadã Renata Tubor, de São  Paulo, radicada naquela cidade conquistou a segunda cidadania, cuja família compareceu em peso para partilhar o momento especial.
             O evento foi concorrido e aproximadamente 300 pessoas participaram da sessão solene dos cidadãos brasileiros de diversos estados da federação, que passarão a serem os novos húngaros, com direito da carteira de identidade e passaporte.
            A cerimônia oficial contou com a participação do Senhor Norbert Konkoly, embaixador da Hungria; Zsolt Maris, Cônsul Geral (São Paulo); Eszter Dobs, assuntos consulares e Gábor Gyuricza, auxiliar consular; bem como o Senhor Kristóf Szatmári, Presidente da Câmara da Indústria e Comércio de Budapeste.
            Após o evento, um coquetel com  vinhos de aroma húngaro foi oferecidos aos novos cidadãos húngaros em território brasileiro e aos convidados.
            A Fundação Cultural de Jaraguá do Sul, desde 1996 tem apoiado o movimento de reavivamento da cultura húngara e o atual processo desencadeado pela conquista da cidadania.
 Para evento foi encaminhado um representante do órgão do governo municipal, Ademir Pfiffer, historiador e diretor dos museus municipais, o qual fez o registro em vídeos e imagens digitais, seguido de gravações de depoimentos de Eszter Dobs e Amauri Francisco Steinmacher, que narraram o momento histórico-cultural para o cidadão que conquistou a cidadania e para comunidade remanescente dos suábios húngaros, ainda presentes em Jaraguá do Sul, desde 1891.
O Senhor Emílio da Silva Neto falou ao público e as autoridades presentes sobre a importância do acesso a segunda cidadania, a húngara, para famílias e cidadãos remanescentes da emigração do século XIX, na Colônia do Jaraguá.
Da unidade consular de São Paulo foi entregue ao Senhor Emílio da Silva Neto, a bandeira da Hungria, que já lufou durante sete dias sobre o parlamento, próximo ao Rio Danúbio, em Budapest, a qual passa a integrar o patrimônio da Associação Húngara, de Jaraguá do Sul.

Ademir Pfiffer - Historiador


Renata Tubor, cidadã blumenauense!


Colégio Santo Américo - auditório

Emílio da Silva Neto, Ademir Pfiffer  e Amauri Francisco Steinmacher.


 Eszter Dob, Débora Rau Ulrich Carvalho, Emílio da Silva Neto, Gábor Gyuricza, Morgana Kanzler Maiochi [filho João Alberto], Amauri Francisco Steinmacher e a filha Janaína.


Sessão especial de homenagem a Jaraguá do Sul [SC],  para entrega da Bandeira da Hungria, ao Senhor Emílio da Silva Neto.

Destaque para uma apresentação cultural por escotistas e folcloristas.


Os jaraguaenses que conquistaram a segunda cidadania, a húngara.


 O público composto pela comunidade húngara remanescente de São Paulo e de outros estados da Federação prestigiaram o evento, no Colégio Santo Américo, espaço de difusão  dos valores da educação húngara, brasileira e católica.


 Após a cerimônia, o registro fotográfico do primeiro grupo de cidadãos e cidadãs, que conquistaram a cidadania húngara como moradores de Santa Catarina.


Canto magyar pelos jovens que revelaram na música a identidade húngara presente no Brasil.

domingo, 2 de novembro de 2014

Emilio da Silva Neto, o suábio húngaro é destaque no empreendedorismo

O Jornal OCorreio do Povo de Jaraguá do Sul [SC], um dos mais antigo diário continua firme no propósito de garimpar história do cidadãos identificados com a história do desenvolvimento da cidade. Na edição de 1º de novembro, sábado, Emílio da Silva Neto foi destaque de uma matéria jornalística do colunista Ronaldo Correia, que deu luz à história da trajetória deste cidadão, descendente das famílias, Silva, Schreiner e Salomon.
O blog registra o fato, pois no presente momento Jaraguá do Sul tem ricas contribuições dos cidadãos remanescentes da Província da antiga Hungria, que desde 1891, somam para desenvolvimento da cidade, nos diversos campos do universo da sociedade do trabalho.
Assim, a presença húngara, a comunidade busca legitimar a história de suas conquistas e realizações,  como o aprendizado da Língua Estrangeira Húngara.
Portanto, faz sentido registrar o movimento dos remanescentes desta etnia, que tem seu rico legado cultural de contribuições à favor da construção da identidade e da marca Jaraguá.

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Sander Nagy, húngaro brasileiro e sua contribuição na pesquisa social


        Sander Nagy até pouco tempo era professor de arte, no Pará, região Norte do Brasil. O gosto pela brasilidade e latinidade herdou do pai um imigrante húngaro, que deixou importante contribuições no mundo da arte no Brasil.
          O professor Sander, há poucos anos atrás, deixou a região Norte do Brasil, migrando ao Estado de São Paulo, onde após intensa pesquisa com um grupo de intelectuais gerou a obra, "As Grandes Vedetes do Brasil".
       No dia 22 de outubro, o Correio da agência de Jaraguá do Sul [SC], entregou na minha residência, a obra elencada anteriormente, pois o autor tem vínculo com a cidade.
     Em certa ocasião Sander veio à cidade na condição turista para conhecer a comunidade húngara da Estrada Garibaldi,. Assim, com a família conheceram o patrimônio edificado das igrejas [Santíssima Trindade e Santo Estevão] católicas [embora não seja católico], bem como os cemitérios, espaços  de sociabilidade memorial.



No livro, na página 289, Nagy escreveu a seguinte dedicatória: 


Uma carta escrita a punho, em letra cursiva, por Sander Nagy encontrei na página 289, que revela a seguinte narrativa:



           Aos autores e o pesquisador Sander Nagy, externo os agradecimentos pela importante contribuição com a pesquisa social de entrevistas e periódicos, que gerou a mais rica obra sobre o assunto no Brasil.